DÁ TRABALHO SERMOS BONS PAIS.

Não costumo escrever muito aqui na coluna PAPO SÉRIO mas acabo de ler um texto que me fez pensar o óbvio: Dá muito trabalho ser bom em qualquer coisa. Exige muito esforço, atenção, concentração, paciência, dedicação. Se queremos ser o melhor aluno, passar no vestibular de medicina, direito, concursos, ser promovido, fazemos TANTO esforço…MUITO esforço. Por que será que na tarefa de PAIS queremos utilizar a lei do esforço zero…deixa que eu deixo…ou a linha Zeca Pagodinho…”Deixa a vida me levar”?

Texto 1: http://viajandocomfilhos.com.br/dicas/viagem-levando-babas/

Texto 2: Sobre o texto da babá

Aqui em casa somos completamente a linha TEXTO 2. E isto eu descobri que seria no dia  03/04/2008. Dia em que João Miguel nasceu e que eu sabia que aquele ser de 53 cm (sim ele nasceu enorme) seria o centro das minhas atenções. E passei a viver em função da minha necessidade de ser, antes de qualquer coisa, MÃE. Essa necessidade foi ratificada em 05/09/2011 quando Sofia nasceu. Desde então mudei de empresa, de sonhos (sim eles mudaram naturalmente), estamos mudando de uma apartamento no meio do burburinho turístico da nossa cidade para uma casa num bairro mais distante (que muitas pessoas já disseram que é insano mudar tanto a vida só por causa de filhos que vão se criar de qualquer jeito) só pra não ter que me separar desta criaturinha. Não perder seus passinhos, seus sorrisos, seus primeiros, segundos, terceiros, quartos qualquer coisa porque qualquer coisa que vier deles me encanta. Ok, você deve estar pensando “Felizarda é você”. E eu concordo. Tem mães que não podem ter o privilégio que eu tenho de trabalhar em home-office ou de poder acompanhar mais de perto o crescimento dos filhos, mas eu conheço algumas delas que, apesar de trabalharem 12h por dia conseguem ser MÃES quando estão com seus filhos, sem terceirizar. Palmas para vocês.

Já cansei de ouvir de pessoas que ainda não tem filhos (que nem deveiriam mesmo) e que não poderão tê-los se não tiverem uma babá pra dormir em casa ou uma enfermeira além da empregada, claro. Algumas vezes me atrevi a perguntar o porquê e já ouvi coisas do tipo: Porque eu não serei uma boa mãe se eu não dormir 8h por noite, não quero ficar acordada checando febre a cada meia hora quando estiverem doentes, quero poder sair com meu marido à noite quando quiser sem ter preocupações e nas férias quero poder aproveitar as férias, não ficar tomando conta das crianças apenas. E a minha segunda pergunta é: PRA QUÊ você quer ter filhos se o seu mundo gira em torno das SUAS necessidades? Quantos casais são felizes sem terem filhos e isto foi uma opção por não quererem alguém dependendo deles. Pra quê pagar as contas de uma criança se quem vai educá-la é a babá, a escola integral, a empregada da casa. E a única coisa que você vai fazer é assinar o cheque no final e levá-los às festinhas infantis com roupas de marca e a babá do lado? ( claro que você vai levar a babá porque você não sabe como seu filho se comportará na festa e é melhor ter alguém que conheça as necessidades reais dele por perto para “ajudar” ).

Não sou herdeira de nada. A não ser dos exemplos de meus pais, como pais e para a vida. E, a não ser que minha sorte mude, eu até posso deixar alguns bens materiais para os meus filhos, quem sabe um apartamento quando casarem ou um carro aos 20 anos, ou um intercâmbio ou várias viagens ao exterior. Gostaria muito de poder fazer tudo isso contudo se eu não puder, não tem problema. Quero ter a certeza de ter convivido, repreendido, ensinado, acarinhado, apertado. Não transfiro a educação dos meus filhos. E este é o melhor presente que os posso dar. e se você não está disposto a se doar, que tal adotar um gato? As pessoas que os tem dizem que são independentes, limpos, e não fazem barulho nenhum. No final ainda sobra mais dinheiro pra você e, o melhir de tudo, Você nem vai perceber que eles estão lá.