Desmame Sem Traumas, É Possível?

Não posso falar por outras mães. Não posso falar por qualquer outra pessoa a não ser por mim. Amamentar é uma das coisas que eu mais gosto de fazer com meus bebê. Antes que você pergunte eu já respondo: Sim! foi muito dolorido os primeiros 15 dias (de João Miguel chegou a ferir e sangrar), Sim! meu leite “pedrou”(mastite) em algum momento de um de outro o que me deu febre, calafrios, tremores. Sim! É uma dependência muito grande amamentar um filho por tanto tempo. Não! Eu não me arrependo de ter dado 1 ano e 3 meses para João miguel e 1 ano e 7 meses pra Sofia (sim! ela ainda mama).  As vantagens do aleitamento materno nem é preciso escrever aqui de tanto que já é falado por aí, mas como experiencia pessoal posso lhe dizer que Sofia, do auge dos seus 1 ano e 7 meses teve apenas 2 resfriados, nenhuma gripe e febre só as de reação de algumas vacinas. E assim também é João Miguel.  Mérito do leite materno? Não sei. Mas sei que sou muito feliz em ter tido o prazer de amamentá-los e de saber que isso fez e fará bem pra sua saúde.

700-00651434

Mas percebo que agora chegou a minha hora de desmamá-la. Dessa vez não é uma questão profissional (UFA!) e sim pessoal. Eu mesma estou decidindo isso. Percebo que ela está pronta, que come de tudo, que não precisa mais sequer de bico ou canudo (ela toma tudo no copo normal) e, ainda por cima, tem pedido o peito apenas pra dormir, o que me faz perceber que tem servido “apenas” de chupeta. Não se pode esquecer que o desmame é só mais um processo de amadurecimento na vida da criança. Assim como andar, falar, sentar, ela só deve fazer quando estiver pronta, e não ser obrigada a passar por isso. Em acordo com essa visão, O  Dr. William Sears, um antigo pediatra, recomendava:

 “Não limite a duração da amamentação a um período pré-determinado. Siga os sinais do bebê. A vida é uma série de desmames, do útero, do seio, de casa para a escola, da escola para o trabalho. Quando uma criança é forçada a entrar em um estágio antes de estar pronta, corre o risco de afetar o seu desenvolvimento emocional” (retirado da página da Sociedade Brasileira de Pediatria)

Fui pesquisar algumas coisinhas que podem ajudar a mim e a você que, independente do motivo, precise desmamar seu filhotinho, especialmente se ele tem mais de 1 ano e vai  pode perceber e sofrer um pouquinho com o desmame.

Segundo a Sociedade Brasileira de Pediatria o ideal é que a criança desmame por si só. Raramente isto acontecerá antes de 1 ano (pode acontecer em casos como uma nova gravidez ou a diminuição da quantidade do leite). Mas os sinais abaixo demonstram que a criança está pronta para o desmame:

 

• Idade maior que um ano

• Menos interesse nas mamadas

• Aceita variedade de outros alimentos

• É segura na sua relação com a mãe

• Aceita outras formas de consolo

• Aceita não ser amamentada em certas ocasiões e locais

• Às vezes dorme sem mamar no peito

• Mostra pouca ansiedade quando encorajada a não amamentar

• Às vezes prefere brincar ou fazer outra atividade com a mãe ao invés de mamar.

Então, seu filhotinho está pronto? Sofia está e eu vou começar a seguir as seguintes dicas da Cartilha do Desmame da Dra.  Elsa Giuliani, pediatra e especialista em aleitamento materno em junção com as dicas da Sociedade Brasileira de Pediatria (ambas estão descritas abaixo):

1- Passe a oferecer a mamada apenas quando o seu filho demonstrar interesse. Siga o método NÃO OFEREÇA, NÃO RECUSE. Se chegou a hora da mamada e ele nem  se lembrou ofereça outro alimento. Um suco, o leite (no meu caso já é o ninho mesmo que ela toma). Mas se ele pedir o peito, não recuse. Ofereça e troque a próxima mamada. Ele precisa de alguns dias pra se acostumar.

2- Adie as mamadas se o seu filho já consegue pedir o peito (é o meu caso). Por exemplo, se ao chegar em casa ele pede o peito tente distraí-lo e deixe para oferecer o peito apenas na hora de dormir mesmo. Este, provavelmente será a mamada mais difícil de retirar porque é com ela que eles se acalmam e dormem.

3- Evite seu “cantinho de mamar” – Se você costuma amamentar em um lugar específico ou em uma poltrona, esqueça por uns tempos. Mude de lugar e alie à técnica da distração pra que ele não lembre da mamada.

4- Encurte as mamadas do dia – se ele pedir, dê. Mas vá encurtando o tempo da mamada até que ele não sinta mais falta dela.

5- Substitua mamar por brincar – algumas mães fazem do momento da mamada o momento tranquilo e de interação entre mãe e filho. Mas você pode ter esse tempo a sós com o seu filho com uma brincadeira, por exemplo. e ele pode se divertir tanto que nem vai lembrar que era hora da mamada.

6- Retire uma mamada a cada 1-2 semanas. Assim a criança não sofrerá.

7- Dedique-se mais à criança nas semanas do desmame. Ela não pode associar a falta do peito à falta da mãe. Nada de deixá-lo o dia todo com a vovó por este motivo ( a não ser que ele já faça parte da rotina dele mesmo).

Agora é só tomar coragem…