Criando Meninos (que você gostaria que casasse com a sua filha).

Nos últimos dias tenho lido muitos textos e visto vídeos sobre o feminismo (é isso que dá ser de humanas e ter amigos jornalistas ativistas por aí). Tem um blog de  um homem que eu gosto muito, o papo de homem (do Alex Castro) com ideias que todos os homens deveriam ler. Venho de uma família tradicional. Mas não tão “padrão” em relação ao comportamento masculino. Minha mãe é muito mais machista que o meu pai (isso é padrão!). Na cabeça dela, mulher não pode isso, mas homem pode. Mulher tem que fazer aquilo, homem não. Na cabeça do meu pai, todo mundo tem que fazer tudo. Ele foi criado assim: todos sabem dirigir, todos sabem cozinhar, todos podem viajar sozinhos, todos podem dormir na casa dos amigos (se eles confiarem, claro), todos podem ir pra festas e chegar na mesma hora  (pra minha mãe tinha a hora das mulheres chegarem em casa…sempre discutimos sobre isso).

O ponto é que fui criada dentro de um padrão, digamos, feminista de mundo. Direitos Iguais dentro dos diretos da casa. E por ter sido criada assim, desejo esse mundo para os meus filhos. Na nossa família, é hilário em alguns momentos, ver pessoas que dizem: ” ah! mas ele é menino. Menino pode! ”

NÃO! Na minha casa, NEM menino NEM  menina pode. OU menino  E menina podem.  Não estou criando meninos que “ajudam” em casa.  Crio um filho homem (com H maiúsculo) que divida a vida, as tarefas domésticas, as contas da casa, o peso de educar os filhos  e de ser bem sucedido assim como a sua futura esposa. Estou criando um João que respeite as mulheres de um jeito que ele seja o cunhado que ele quer ter. Que ele seja o empregado que eu quero ter. Que ele seja o amigo que qualquer menina queira ter ( sim!  minha grande maioria de amigos de verdade na escola eram/são homens! eles são sempre mais divertidos e leves. e, antes que você pense bobagem,na sua grande maioria não eram gays).

– Sim, filho, você pode chorar quando quiser. Chorar não torna você fraco. traz o insuportável pra fora pra que sobre espaço pros seus sentimentos se organizarem de novo.

– Você não precisa sustentar uma casa sozinho ( a não ser porque vocês decidam assim por razões como criação dos filhos). Você pode dividir as despesas, as férias, a conta do restaurante.

– Você pode ter amigas mulheres. Dividir sentimentos com elas. E não querer levá-las pra cama. Sim! Você pode!

– Seja cavalheiro, mas nunca diga como uma mulher deva se comportar. Mulher não deve ser assim, ou assado. Mulher é o que é. Ou você gosta do jeito dela, ou não gosta.

– Seja o namorado que você escolheria para sua própria filha. 

– Arrume seu quarto. Sua irmã também vai arrumar o dela. 

– Lave os pratos. Ontem foi a vez da sua irmã, 

– Lembre-se sempre que homens e mulheres merecem o mesmo respeito, os mesmos direitos, a mesma compreensão.

 –  Não arrume desculpas pras atitudes erradas dos seus amigos porque são homens. 

E aqui um dos vídeos que eu mais gostei de ver nessa semana. Tirem seus filhos dessa caixinha machista. Ofereçam a liberdade!